Posts Tagged ‘segurança’

Segurança em computadores e na Internet – III

27/12/2009

Como o tema “segurança” é inesgotável, resolvi voltar a ele uma vez mais. Já falei um pouco sobre a segurança do computador em si e sobre a segurança no uso do e-mail e da internet de forma geral, agora volto ao tema para falar um pouco sobre a segurança pessoal no uso da Internet.

Primeiramente cabe notar que muitas pessoas estão adentrando ao mundo virtual da Internet a cada dia. Dados do IBGE de 2005 indicavam 32 milhões de usuários da Internet no Brasil em 2005. Dados de julho de 2009 do Ibope Nielsen Online indicam agora que esse número já está na casa dos 65 milhões.

Computadores e Internet

Evolução do uso de computadores e da Internet

Evidentemente que o número de professores que passaram a usar os computadores e a Internet nesse período também aumentou muito e eu suspeito, com base em minhas observações pessoais, que esse aumento foi ainda maior do que o da média da população, proporcionalmente.

Tudo isso nos leva a uma questão importante: será que esses novos usuários, e os antigos também, sabem como é fazer parte desse “mundo virtual”?

Apesar do espanto e do deslumbramento inicial que as pessoas têm quando passam a ter acesso à Internet e se tornam seus usuários e colaboradores, e da aparente “fonte inesgotável” de novos conhecimentos e possibilidades, principalmente educacionais, é um fato que muitos não fazem a menor idéia de como começar a utilizá-la para si mesmos e para melhorar suas práticas pedagógicas. E apesar dos cursos de formação, oficinas e outras oportunidades, muitos continuam sem fazer um bom uso da Internet e dos computadores por muito tempo após ingressarem no mundo virtual.

As possibilidades de uso da Internet na educação aumentam exponencialmente e hoje em dia implicam no uso ostensivo de ferramentas Web 2.0. Assim, o professor iniciante no uso da Internet já começa dando um salto de “não-usuário” para a categoria de Professor 2.0, muitas vezes sem passar antes pela fase de Professor Digital, e isso acaba criando várias dificuldades e alguns problemas especiais de “segurança”. É sobre esses problemas de segurança no uso das ferramentas da Web 2.0 que pretendo tratar nesse texto.

Nossa segurança pessoal na Internet envolve pelo menos três fatores. A saber:

  • a nossa segurança patrimonial: informações de acesso a bancos, cartões de crédito e documentos pessoais
  • a nossa segurança pessoal: informações particulares, nossa imagem pública e profissional
  • a segurança daqueles sobre os quais somos responsáveis: nossos filhos, nossos alunos, nossa escola ou a empresa na qual trabalhamos

Nossa segurança patrimonial depende formente da maneira como resguardamos nossas senhas de acesso, números de cartões de crédito e informações sobre documentos pessoais que podem cair em mãos de pessoas mal intencionadas e resultar em prejuízos financeiros. Nos dois primeiros artigos dessa série eu comento um pouco sobre esse tema e dou algumas sugestões sobre como se proteger. Resumidamente:

  • não use computadores públicos para acessar bancos ou fazer compras online com cartões de crédito;
  • não forneça senhas, números de cartão de crédito ou documentos pessoais para sites que não sejam seguros (quando não aparece o “cadeado” na barra de mensagens no rodapé do navegador) e sobre os quais você não tenha certeza de que seja confiáveis;
  • tenha um bom anti-vírus instalado no seu computador e o mantenha atualizado;
  • não abra mensagens de e-mail suspeitas (ou de desconhecidos lhe fazendo propostas “interessantes”); não clique em links suspeitos e não envie seus dados de acesso bancário ou de cartões de crédito por e-mail.

Cabe agora falar um pouco mais sobre sua segurança pessoal e a das pessoas e organizações sobre as quais você tem responsabilidade (sua família, seus alunos e sua escola ou empresa).

Pequenos deslizes no uso da Internet pode compromenter tanto a sua segurança quanto a de terceiros. Então tenha em mente que:

  1. tudo o que se encontra na Internet é “público”, isto é, pode ser acessado, teoricamente, por qualquer pessoa e para qualquer finalidade;
  2. todas as leis de proteção de direitos autorais, direito do uso de imagens e direitos e garantias individuais são válidas também para a Internet;
  3. todas as suas ações, visitas a sites, arquivos enviados ou recebidos, mensagens, conversas ou qualquer outra manifestação sua na Internet podem ser rastreadas.

Na práica isso quer dizer que na Internet, apesar da “aparente virtualidade”, todas as suas ações são “reais”. Apesar dos “nicks” (apelidos), “avatares” (figuras que representam personagens) e da possibilidade de remover, apagar ou modificar textos, arquivos ou mensagens, de fato, sempre será possível saber quem você é, o que fez e o que está fazendo agora.

Isso não tem nenhuma importância se suas ações na Internet se derem sempre dentro da lei, da ética, da moral e dos bons princípios, mas qualquer deslize em qualquer momento ficará registrado e poderá ser “recuperado”, teoricamente, por qualquer pessoa a qualquer tempo.

Um diálogo mais áspero que você tenha em uma lista de discussão, mesmo as “listas fechadas”, uma imagem mais comprometedora que você tenha guardado em algum álbum (mesmo os pessoais e fechados), uma informação pessoal sua ou de outra pessoa que você forneça, tudo isso é, na verdade, público.

Em especial, todas as imagens dos seus alunos, seus próprios filhos ou imagens da escola ou empresa, e todas as informações que você forneça deles, a qualquer momento e para qualquer serviço da Internet, se tornarão públicos.

Se no futuro essa imagem ou informação vier a ser utilizada causando qualquer forma de prejuízo a você ou a terceiros, a responsabilidade será efetivamente sua por tê-la fornecido, salvo nos casos em que você tenha, explicitamente, a permissão e a concordância das pessoas ou instituições das quais forneceu essas informações.

Big Brother

O mundo todo está de olho em você!

Um bom conselho para quem está iniciando agora na Internet é que, ao sentar-se diante de um computador ,ao invés de você estar protegido e ocultado por uma máquina, na verdade você passa a estar exposto ao mundo todo e todas as suas ações poderão ser inspecionadas a qualquer momento.

De certa maneira a Internet é como um gigantesco “Big Brother”. Pense bem nisso antes de apertar qualquer tecla do seu computador.

Se você não tinha essa percepção antes, não se preocupe, poucas pessoas a têm, mas certifique-se de que daqui por diante você veja a Internet como uma “coisa real” e, sempre que possível, passe essas informações adiante, principalmente para seus alunos.

Sugestão de consulta na Internet:

  1. Quatro excelentes vídeos didáticos sobre o tema “Segurança na Internet” disponibilizados pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil: sugestão da leitora Lina Linólica feita ao artigo “II” dessa série e incorporada agora (01/02/2010).
  2. Cartilha de Segurança para a Internet: publicação do Comitê Gestor da Internet no Brasil que trata detalhadamente de todos os aspectos que envolvem a segurança de computadores e no uso da Internet.

(*) Para citar esse artigo (ABNT, NBR 6023):

ANTONIO, José Carlos. Segurança em computadores e na Internet – III, Professor Digital, SBO, 27 dez. 2009. Disponível em: <https://professordigital.wordpress.com/2009/12/27/seguranca-em-computadores-e-na-internet-–-iii/>. Acesso em: [coloque aqui a data em que você acessou esse artigo, sem o colchetes].

Anúncios

Uso pedagógico do E-mail

26/08/2009

Lembra como eram as comunicações escritas antigamente?

Lembra como eram as comunicações escritas antigamente?

Há uma década atrás, quando eu participava da formação de um grupo de professores para o uso pedagógico dos computadores e da Internet e perguntava à turma “quem tem e-mail?”, de cada 100 professores apenas uns cinco levantavam a mão e, então, quando eu perguntava, quem se lembra do seu e-mail, raramente um desses cinco levantava a mão.

Felizmente os tempos mudam e agora para cada 100 professores, pelo menos 80 têm e-mail e cerca de 50 sabe dizê-lo de memória. Mas, afinal, para que usamos o e-mail? Será que exploramos o potencial “pedagógico” que ele nos oferece?

O e-mail, ou correio eletrônico (“eletronic mail”), originou-se no início da década de 60 e visava permitir uma troca rápida de informações em sistemas de computadores interligados. Grande parte do potencial que se percebeu logo de início com a interligação de computadores em rede mundial (Internet) estava ligado justamente a essa incrível possibilidade de substituir as “cartas em papel” por “cartas eletrônicas”.

Programa editor de e-mail

Programa editor de e-mail

Com o passar dos anos e a implantação efetiva de uma rede de computadores mundial, o e-mail passou a ser a forma mais rápida e eficaz de trocar mensagens assíncronas (não simultâneas) entre as pessoas. Mais recentemente, com o aumento da velocidade de transmissão de dados e o desenvolvimento de tecnologias que nos permitem anexar, enviar e receber arquivos, imagens, filmes, etc., o e-mail passou a ser uma espécie de “transportadora digital” capaz de levar de um computador a outro qualquer artigo digitalizado.

Evidentemente nem tudo é alegria e com o e-mail vieram os “spams” (e-mails não desejados, geralmente de propaganda) e os mais variados golpes de picaretas de todos os tipos. Além disso, como os e-mails podem transportar arquivos, eles podem também transportar vírus nesses arquivos ou, a pior praga de todas, aquelas imensas apresentações de Power Point que alguns “amigos” acham que seria ótimo se víssemos, mesmo que demore horas para baixar esses arquivos.

Feita essa introdução, vamos à questão central: de que maneira um professor pode usar o seu e-mail para fins pedagógicos?

Evidentemente uma resposta banal seria dizer que basta cada um usar sua criatividade, e é verdade, mas vamos tentar relacionar alguns usos e vamos deixar essa criatividade para as sugestões que serão enviadas nos comentários desse artigo.

O e-mail como forma de inclusão digital

Já apontei em outro artigo (“Cidadania digital”) que o simples fato de possibilitarmos a alguém a posse e uso de um e-mail já é, de certa forma, uma maneira de promover a inclusão digital dessa pessoa. No caso da Internet, e em especial das ferramentas Web 2.0, possuir um e-mail é fundamental para poder se cadastrar em diversos serviços gratuitos, além da possibilidade óbvia de trocar mensagens com outras pessoas e de “poder ser encontrado na rede”.

Se pensarmos em uma escola e nos alunos que desejamos que usem a Internet e as ferramentas Web 2.0 disponíveis nela, fica claro que a primeira ação que podemos fazer para promover a inclusão digital de nossos alunos é justamente ajudá-los a criarem seus e-mail e então explorarmos com eles as diversas possibilidades que se seguem daí.

Veja que é importante garantir sempre que o aluno tenha acesso aos computadores da escola e à Internet para poder lhe propor tarefas e atividades que usem esses recursos, pois não faz sentido pedir tarefas por e-mail se o aluno não tem como acessar a Internet na própria escola.

O e-mail como forma de contato extraclasse

Receba, envie, troque.

Receba, envie, troque.

Um professor que já se considere ou que esteja tentando ser um “Professor Digital” (faça o teste!) certamente pesquisa na Internet, lê jornais e revistas eletrônicas e tem sempre um assunto novo para comentar com seus alunos. Ao invés de recortar jornais e revistas e levá-los para a escola para colá-los em um mural, porque não distribuí-los diretamente aos alunos por e-mail?

Recados, calendários de provas, dicas sobre o assunto em estudo, sugestões de leitura extra ou mesmo curiosidades diversas (mas relevantes educacionalmente) podem ser enviadas ao custo de “um clique” se usarmos o e-mail como forma de distribuição desses materiais. Daí vem a importância de, antes de tudo, criarmos e-mails para nossos alunos e termos essa lista de e-mails conosco.

Além disso, um antigo sistema de apoio ao aluno em período extraclasse conhecido como “plantão de dúvidas” pode ser implementado usando-se o e-mail se você disponibilizar aos seus alunos o seu endereço de e-mail.

O e-mail como instrumento de produção de texto e conteúdo

Digitando também se produz textos

Digitando se produz textos

É óbvio que o e-mail, por sua característica fundamental como ferramenta de expressão escrita,  possibilita que o professor da área de Linguagem possa usá-lo para propor aos seus alunos a produção de textos. Por outro lado, produzir textos é uma atividade presente em todas as disciplinas e, portanto, todas podem usar o e-mail como um expediente útil para se produzir e entregar textos.

Da mesma forma, aqueles trabalhos de pesquisa que normalmente resultam em pilhas de papel impresso, podem ser solicitados de forma mais “ecológica e sustentável” na forma de arquivos digitais. Dado que o e-mail aceita figuras anexas ao texto e que outros tipos de arquivos, como apresentações, imagens, planilhas, músicas e mesmo pequenos filmes, podem ser anexados ao e-mail, tem-se uma infinidade de possibilidades muito mais ricas para a produção desses trabalhos do que o velho expediente do “papel”. Por outro lado, é muito mais fácil receber e organizar esses trabalhos quando eles são entregues por e-mail e o professor se organiza para recebê-los.

O e-mail como documentação e biblioteca de atividades e tarefas

Biblioteca digital: baixo custo, pouco espaço

Baixo custo, pouco espaço

Ao contrário dos papéis, que ocupam muito espaço, estragam, extraviam-se e são produzidos a partir de pobres árvores indefesas, os e-mails ocupam um “espaço de armazenamento” quase nulo e têm uma durabilidade virtualmente infinita. Trabalhos, tarefas, textos e toda sorte de atividade que os alunos puderem lhe enviar por e-mail poderão ser armazenados sem nenhum custo e terão a durabilidade que você quiser, pois você pode gravá-los em um CDROM ou, simplesmente, deixá-los armazenados no provedor de e-mails (como o GMail, por exemplo, que tem mais de 8 Gb de espaço de armazenamento disponível para cada conta de e-mail que você quiser ter).

Nem sempre é fácil recuperar um trabalho ou uma tarefa que um aluno fez no início do ano para avaliá-lo no final do ano, mas se este trabalho ou tarefa foi entregue por e-mail isso se torna uma tarefa extremamente simples. E se você usar o e-mail sistematicamente, ao final do ano será muito fácil “ver” quem lhe enviou as tarefas pedidas e quem não o fez.

Sete dicas para usar bem o e-mail com seus alunos

  1. Garanta, na sua escola, a inclusão digital dos seus alunos e o acesso deles aos computadores e à Internet. Argumentos para esse uso não faltam, mas às vezes é preciso enfrentar alguma resistência dos gestores, principalmente quando esses são retrógrados e se envolvem pouco com a comunidade escolar. É preciso garantir sempre que os alunos tenham acesso a esses equipamentos e recursos.
  2. Providencie para que todos os seus alunos tenham um endereço de e-mail e saibam como enviar e receber e-mails. Há diversos provedores de e-mails gratuitos e a maioria dos alunos já possuem um e-mail, embora nem saibam disso, pois muitos têm “MSN” e para tê-lo é preciso ter um e-mail do Hotmail. O Yahoo também fornece e-mails gratuitos e minha sugestão pessoal é o uso do Gmail (e-mail do Google).
  3. Crie um endereço de e-mail seu para usá-lo exclusivamente com seus alunos. Isso facilitará sua organização e com um pouco de criatividade você pode criar um e-mail fácil de ser lembrado, como professorfulano@gmail.com, ou escrevaparafulano@yahoo.com.br, etc.
  4. Anote os e-mails de todos os seus alunos e divulgue o seu e-mail para todos eles. Você pode até mesmo levá-los à sala de informática e fornecer uma tabela do Excel com campos para preencherem o nome, o número de chamada, a classe, a série e o endereço de e-mail. Com essa tabela em mão você terá, literalmente, uma porta de acesso à todos eles a qualquer momento.
  5. Quando solicitar algum trabalho, texto ou qualquer outra comunicação que o aluno lhe enviará por e-mail, acostume-os a escreverem no cabeçalho do e-mail o nome, o número de chamada, a série e a classe, como por exemplo: “Juquinha, 28, 2A”. Isso lhe permite identificar facilmente o aluno e usar filtros para classificar as mensagens por classe, por exemplo. Para saber como usar esses filtros, visite qualquer provedor de e-mail (como o Gmail, por exemplo) e procure lá informações sobre como usar bem as ferramentas disponíveis ou, ainda, pergunte aos colegas, aos amigos e a seus próprios alunos.
  6. Organize os endereços de e-mail dos seus alunos de forma que você possa selecionar todos de uma classe, por exemplo, quando quiser enviar um recado para a classe toda. Não abuse demais desse recurso, mas se você quiser pode enviar “resumos semanais” com dicas, sugestões e lembretes, por exemplo.
  7. Discuta com os alunos as regras de segurança no uso do e-mail e o bom uso da netiqueta. É importante, nesse novo mundo “virtual” que os alunos aprendam desde cedo que existem regras sociais até mesmo no uso das mídias digitais “à distância”.

Para consultar na internet:

(*) Para citar esse artigo (ABNT, NBR 6023):

ANTONIO, José Carlos. Uso pedagógico do E-mail, Professor Digital, SBO, 26 ago. 2009. Disponível em: <https://professordigital.wordpress.com/2009/08/26/uso-pedagogico-do-e-mail/>. Acesso em: [coloque aqui a data em que você acessou esse artigo, sem o colchetes].

Segurança em computadores e na Internet

04/03/2009

Proteja seu computador

Proteja seu computador

Esse é um tema muito amplo e talvez eu volte a falar dele futuramente, abordando então alguns aspectos mais ligados à educação. No entanto, como o uso dos computadores e da Internet por professores, alunos ou qualquer pessoa, demanda noções básicas de segurança, acho que falar um pouco sobre isso poderá ser útil.

Quem já utiliza os computadores e a Internet há um bom tempo provavelmente já ouviu muitas vezes sobre alguns cuidados básicos que se deve ter ao fazer uso dessas novas tecnologias. Quem está chegando agora também já deve ter ouvido bastante sobre esse assunto, mas talvez ainda não tenha “vivenciado” muitos dos problemas potenciais e que quase todos os que já utilizam os computadores já tiveram a infeliz oportunidade de vivenciar como reais um dia.

Começemos então pela segurança do seu próprio computador.

Todo computador é vulnerável. Uns são mais que outros. Um kit básico de segurança para manter seu computador correndo poucos riscos deve conter:

  1. Um antivírus instalado, atualizado diariamente, e funcionando continuamente. Eu uso o Avast!, mas também há vários outros gratuitos e muito bons.
    • O antivírus é um programa que verifica qualquer arquivo no seu computador para checar se ele contém ou não um vírus e para permitir que os vírus encontrados sejam destruídos.
    • Um vírus é um programa de computador que faz cópias de si mesmo e que pode danificar seu computador ou os dados contidos nele.
  2. Um firewall. O windows costuma vir com um firewall, mas se você tiver um bom anti-vírus ele provavelmente também terá um firewall como parte dele. Use ambos, o do antivírus e o do windows.
    • Um firewall é um programa que impede que outros computadores se conectem ao seu sem que você permita, ou que impede que programas mal intencionados enviem informações suas para a Internet sem o seu consentimento.
  3. Um antispyware. Eu uso o SpyBot e o Ad-Aware simultaneamente.
    • Um antispyware é um programa que evita que programas espiões se instalem no seu computador e roubem suas informações. Ele também pode localizar spywares já instalados e destrui-los.
  4. Um bom navegador com as opções de segurança colocadas em “nível alto”. Eu uso vários navegadores mas acho que o Firefox é excelente no quesito segurança.
    • Um navegador seguro é aquele que lhe permite navegar pela Internet sem que sites maliciosos consigam coletar seus dados, instalar spywares ou outros programas indesejáveis e potencialmente danosos no seu computador.

Mas “só tudo isso” ainda é muito pouco. É preciso que você mesmo adquira uma “cultura de uso seguro”, principalmente se você usa seu pendrive em outros computadores e se acessa a internet regularmente.

Virus, spywares (espiões), trojans (cavalos de tróia), worms (vermes) e outras pragas digitais que podem empestiar seu computador, roubar suas senhas bancárias, tornar seu computador um escravo de outro computador ou simplesmente danificar seus dados e o próprio computador, são pragas extremamente comuns hoje em dia.

Por fim, é preciso investir algum tempo aprendendo um pouco mais sobre segurança em computadores e na Internet e para isso nada melhor do que uma simples pesquisa no Google usando essa mesma frase. O tempo investido no aprendizado sobre como se proteger de ameaças digitais, ainda que seja um aprendizado bastante superficial, é muito menor do que o tempo que você gastará para “desinfectar” seu computador, recuperar seus dados ou seu dinheiro perdido. Invista em segurança! É mais barato do que custear reparos.

Em posts futuros voltarei ao tema tratando da segurança no uso do e-mail, na navegação pela Internet e no uso de computadores públicos, como os das Salas de Informática das escolas ou os computadores das Lan-Houses. Outro tema importante, mas dessa vez ligado mais diretamente à Educação, diz respeito sobre como “proteger o aluno” dos perigos da Internet e do mau uso dos computadores em geral.

(*) Para citar esse artigo (ABNT, NBR 6023):

ANTONIO, José Carlos. Segurança em computadores e na Internet, Professor Digital, SBO, 04 mar. 2009. Disponível em: <https://professordigital.wordpress.com/2009/03/04/seguranca-em-computadores-e-na-internet/>. Acesso em: [coloque aqui a data em que você acessou esse artigo, sem o colchetes].


%d blogueiros gostam disto: